Pular para o conteúdo principal

O novo velho clássico infinito | Poema





O novo velho clássico infinito


O óbvio é tão absurdo que dói.
Dói em ser visto, escutado, tocado.
É igual e inconscientemente imaginam.
Faltam forças para denunciar.

Desconforta o espinho rasgando a pele,
Mesmo que rapidamente,
Agonia.
Mas não torna cotidiano.

É inacreditável.
Tamanha falta de...
Não sei definir, mas quando ver, sei identificar”.

O padrão do clássico hierárquico domina,
A ordem reprodutivamente passada.
Segue o compasso da melodia do sei lá quem criou.
O resto é só a ilusão de viver o novo velho clássico,
Repetidas vezes,
Infinitamente.

No vai e vem.

- Victor Wallace.


Este poema e imagem são autorais, cópias ou publicações sem referência são consideradas ilegais. Publicação: 02/07/2020

         


Comentários

  1. Bonitas palavras. Você escreve muito bem.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  2. Belíssimo poema, parabéns. Abraço!

    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Victor!
    Vi o seu comentário lá no meu blogue "A Escola Certa". Obrigada pela visita.
    Também estou seguindo o seu blogue.

    Pergunta: Reparei que faz resenhas, aceita sugestões de livros? Livros de autores portugueses? Da Chiado Editora? Tenho dois para sugerir da mesma autora que também se encontra aqui na blogosfera (tem um blogue de literatura). Dependendo do seu gênero literário favorito e se gostar de sugestões, eu gostaria de sugerir.

    Bom Fim de Semana!

    ResponderExcluir
  4. Olá, Victor!
    Como também escreve, estou te convidando para dois desafios literários.
    Um é um conto sobre personagens idosas e o outro é um microconto baseado numa música.

    Deixo as regras no meu blogue, onde divulguei: https://historiasdasilvia.blogspot.com/2020/07/desafios-literarios.html

    Se não participar, pode sempre divulgar, ajudaria muito :)
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Victor!

    Um poema com imensa lógica. Gostei muito.

    Bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Que poema profundo, cheguei a ficar arrepiada lendo. Me identifiquei em vários versos, parabéns pelo seu talento.

    Beijão!
    Lumusiando

    ResponderExcluir
  7. Olá!

    Um poema curto, mas bem significativo...

    Gostei.


    Saudações poéticas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais visitadas:

Frankenstein ou o Prometeu moderno, Mary Shelley | Resenha

Nota: 10/10 Frankenstein é resultado de um conjunto composto pela intelectual e sentimentalmente defasada educação paterna oferecida à Mary Shelley, devaneios noturnos, conversas sobre a criação da vida e uma crítica impositora à Percy Shelley, marido da autora. Diante desses fatores, surge, durante um verão recluso pelas péssimas condições climáticas na Suíça, a obra que revolucionou a literatura mundial e que coleciona admiradores 200 anos após sua primeira publicação.
O exemplar da coleção de Clássicos da Penguin Companhia, 417 páginas, inicia-se com um texto que apresenta um estudo detalhado feito pelo inglês Maurice Hindle, Ph.D. em literatura pela University of Essex, com uma biografia sobre a autora, apresentando as perspectivas que fizeram Mary escrever a obra, a influência e as interferências do marido da autora e as partes que sofreram alterações durante as republicações. Nesse estudo, o leitor também é apresentado aos pensamentos de filósofos, de cientistas e de outros intele…

Max e os felinos, Moacyr Scliar | Resenha

Nota: 9/10 G ostaria de iniciar deixando claro que não quero, nem posso, opinar sobre a tão polêmica questão que esse livro carrega porque não li “As aventuras de Pi”, porém, acredito em coincidências assim como em plágios, mesmo que cometido por autores dos países do “primeiro mundo”. Além disso, deixo claro meu apoio ao autor que expressa, no início do livro, sua indignação, apenas, com a falta de consideração pela ideia inspiração não mencionada em “As aventuras de Pi”.
O livro é muito curto. Vou iniciar pontuando esse único defeito que acabou me provocando um desconforto diante de um enredo tão incrível e bem construído que poderia ser estendido de 100 para umas 200 páginas.
O primeiro ponto que me fez gostar tanto da obra é a maneira como o autor representou, pela visão de Max, a formação de ideologias de caráter autoritário e antidemocrático no mundo no século passado. Muitas vezes, durante as aulas de história, eu me perguntava como uma ideologia tão terrível, como o nazismo, pode…

O Advogado, Jhon Grisham | Resenha

Nota: 9/10 Jhon Grisham, autor de vários romances ambientados no meio jurídico, é o autor de "O advogado", sua nona publicação literária, publicada em 1998. O livro narra a mudança na vida de Michael Brock, um promissor advogado, sócio de um renomado escritório de advocacia em Washington D.C, que, surpreendentemente, larga sua promissora carreira como advogado tributário e empresarial privado e se torna um defensor daqueles que são, forçadamente, ignorados na sociedade.
Branco, jovem, futuro sócio sênior da Drake & Sweeney, dedicado quase que 100% ao trabalho, sem tempo para muitas coisas, casado com uma neurocirurgiã e permeado por privilégios econômicos e sociais. Assim era a vida do personagem principal do livro, até que, uma tarde traumática lhe fez enxergar novas perspectivas e reorganizar suas necessidades, transformando seu presente, futuro e ressignificando seu passado.
O livro apresenta uma perspectiva social de extrema relevância aos profissionais de todas as área…