Pular para o conteúdo principal

Frankenstein ou o Prometeu moderno, Mary Shelley | Resenha



Nota: 10/10
Frankenstein é resultado de um conjunto composto pela intelectual e sentimentalmente defasada educação paterna oferecida à Mary Shelley, devaneios noturnos, conversas sobre a criação da vida e uma crítica impositora à Percy Shelley, marido da autora. Diante desses fatores, surge, durante um verão recluso pelas péssimas condições climáticas na Suíça, a obra que revolucionou a literatura mundial e que coleciona admiradores 200 anos após sua primeira publicação.

O exemplar da coleção de Clássicos da Penguin Companhia, 417 páginas, inicia-se com um texto que apresenta um estudo detalhado feito pelo inglês Maurice Hindle, Ph.D. em literatura pela University of Essex, com uma biografia sobre a autora, apresentando as perspectivas que fizeram Mary escrever a obra, a influência e as interferências do marido da autora e as partes que sofreram alterações durante as republicações. Nesse estudo, o leitor também é apresentado aos pensamentos de filósofos, de cientistas e de outros intelectuais que influenciaram a escritora.

O livro conduz o leitor a profundos questionamentos sobre a essência humana e sobre os extremos que lhes cercam, marcando sua autenticidade na construção do cenário pós-criação laboratorial da vida e retratando os infortúnios gerados por um ser que foi desenvolvido e lançado à sorte ao mundo. Assim, a busca incessante por conhecimento do jovem Victor, que lhe gera promissor resultado, introduz o terror, elemento que, na trama, não se limita em sanguinário e fantasmagórico como atualmente conhecemos, necessitando de perspicácia do leitor para identificação da constante angústia e apreensão narrada. E, dessa forma, a autora foi mesclando o gótico, com pinceladas de terror, de grotesco e de solidão, e a ficção científica, com discussões relevantes da “filosofia natural”, evidenciando influência dos diversos pensamentos dos séculos XVIII e XIX.

Narrada na primeira pessoa pelos personagens: Robert Walton, aventureiro que idealiza atravessar o polo norte, Victor Frankenstein, o médico provedor do monstro e a Criatura - também chamada de Monstro, Demônio ou Aquilo – e intitulada Frankenstein ou o Prometeu moderno – referência ao personagem e ao titã que enganou Zeus e tornou-se o criador ou o benfeitor da humanidade –, a obra tornou-se um clássico pela profundidade da narrativa sobre valores humanos, sendo a pioneira nessa mescla de gêneros. Daí em diante, o texto é só surpresas, não sendo parecido com as adaptações cinematográficas voltadas ao público infanto-juvenil, as quais, entre outras divergências, nomeiam de Frankenstein a Criatura, ao invés de seu criador.

Apesar de tudo isso ser fictício, inclusive o médico Victor Frankenstein, com nome inspirado em um castelo de Darmstadt, na Alemanha, os assuntos abordados na obra são frequentemente discutidos atualmente, porém, com novos conceitos e regido pelo termo bioética. Essa é uma boa dica literária àqueles que querem se iniciar com os clássicos ou, apenas, entreter-se em uma prazerosa leitura e construir de forma mais crítica o início de uma caminhada pelo que chamamos, muitas vezes com sua própria falta, de humanidade.

Compre com nosso link e ajude o blog a continuar com postagens frequentes. Segue dois links de duas edições muito boas de Frankenstein ou o Prometeu moderno


         




Comentários

  1. Gostei da resenha, ótimo trabalho Victor!

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem? Me parece um livro espetacular. Ainda não li, mas fiquei interessado em lê-lo. Ótima resenha. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Eu já li uma dessas edições do livro e infelizmente não gostei tanto assim. Essa edição eu não conhecia ainda.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vish, que chato. Apesar de livro ser algo pessoal eu acho muito pouco provável que algum leitor que goste de clássicos e de história não gostar de Frankenstein. Pra ter uma noção, eu gostei tanto que já fiz uma lista de outros textos da Mary para ler.

      Excluir
  4. Olá...
    Ainda não conhecia o livro, mas, adorei conhecê-lo através de sua resenha... Confesso, que não é exatamente o tipo de leitura que estou habituada, mas, parece ser um livro bem interessante.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi! Tudo bom?
    Eu sou fissurada na história da Mary Shelley como autora e também na criação dela. Quase fiz um estudo biográfico sobre ela no meu TCC, mas tive que mudar - a admiração continuou muito forte, no entanto. Que mulher genial e revolucionária!

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei encontrar alguém que gostou também!Tudo bem sim!
      Eu me apaixonei por ela e por esse livro. Achei uma leitura impecável!
      Abraços!

      Excluir
  6. Oie!
    Ainda não tive a oportunidade de ler, mas gosto bastante do que a obra representa, uma literatura clássica escrita por uma mulher! Assisti ao filme sobre a história da Mary Shelley e fiquei com vontade de ler seu livro.
    beijo
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, clássico e escrito por uma mulher. Os filmes não são muito fieis, mas não os culpo, são adaptações e pegaram o que mais chama a atenção e o mais cinematográfico da obra.
      Abraços!

      Excluir
  7. Oii, eu adorei a resenha. Texto muito bem escrito, parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Grata por sua visita e comentário no meu blogue.

    Ainda não conhecia o livro, mas gostei muito da resenha do mesmo.
    Você escreve muito bem.

    Abraço e bom final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie, estou conhecendo novos blogs da plataforma aos poucos. Que ótimo que conheceu e obrigado!
      Abraços!

      Excluir
  9. É um dos livros que está na minha listinha de leitura, mas sempre vou empurrando para frente. Ainda quero ler e adorei saber mais dele aqui no seu blog.

    https://www.biigthais.com/

    Beijoos ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, não fique empurrando, ele é muito bom mesmo. Espero que goste tanto quanto eu gostei da leitura. Abraços!

      Excluir
    2. Também está na minha lista de leituras, Thais.

      Excluir
  10. Oi, Victor!
    Eu conheço pouco da história de Mary Shelley, mas tenho muita vontade de ler Frankenstein!
    Já salvei a indicação :D

    Estante Bibliográfica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi. Nessa edição dá pra conhecer bastante sobre a autora pelos textos de apoio. Mas a obra é impecável. Eu, particularmente, adoro clássicos e esse então...
      Espero que leia e goste. Abraços!

      Excluir
  11. Li há pouco tempo a obra e achei uma leitura boa, mas não 10. Pena que minha edição não era essa, pelo que disse é muito boa. Até breve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aos poucos eu vejo que a edição de um livro influencia muito na leitura. Mas que legal que você já leu e gostou, mesmo que não tenha tido a mesma impressão que a minha!
      Abraços!

      Excluir
  12. Li o livro há muito tempo ,Gostei da sua sinopse.


    Boa semana

    ResponderExcluir
  13. ¡Hola Vitor!

    Por aquí ando y acabo de leer tu relato sobre el famoso Frankenstein que, nos ha dado hace muchos años, momentos de terror viendo sus películas, toda una pesadilla... No tuve el placer de leer nada sobre este personaje, pero como he dicho, he visto las películas.

    Te dejo mi inmensa gratitud y estima.

    Un saludo muy cordial y se muy, muy feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ¡Hola!
      Saludos a la audiencia internacional. Tu comentario es el primero en español del Wall's Books. Merece la pena leerlo, es muy bueno.
      ¡ Abrazos, hasta la vista!

      Excluir
  14. Fiquei impressionada com a nota e com o seu otimismo na leitura. Vou comprar um dessa mesma edição. Espero que minhas expectativas sejam alcançadas! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, segundo comentário? Acho que esse texto te deixou com vontade real de ler, né? Abraços!

      Excluir
  15. Já escutei falar muito sobre essa história, mas como sou meio medrosa e me impressiono com livros assim, deixo de lado hehehe. Mas achei a sua resenha bem boa e acho que quem gosta do gênero, vai ter interesse em ler ou até reler. :)

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir
  16. Oi
    eu conheço a história por conta dos filmes, mas não tenho muito interesse em ler o livro. parece ser uma boa história, mais difícil de se ler, para quem gosta de clássicos do estilo deve ser uma boa.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Hey Victor! Tudo bem?
    Nossa, eu amo Frankenstein, é um dos meus livros favoritos da vida!
    Obrigada por comentar lá no blog.
    Volte sempre!

    | Blog Misto Quente |

    ResponderExcluir
  18. Olá Victor,

    Eu não conhecia essa edição, eu não li Franknstein mas quero muito ler, ótima resenha.

    Abraço.



    https://devoradordeletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Mais visitadas:

Max e os felinos, Moacyr Scliar | Resenha

Nota: 9/10 G ostaria de iniciar deixando claro que não quero, nem posso, opinar sobre a tão polêmica questão que esse livro carrega porque não li “As aventuras de Pi”, porém, acredito em coincidências assim como em plágios, mesmo que cometido por autores dos países do “primeiro mundo”. Além disso, deixo claro meu apoio ao autor que expressa, no início do livro, sua indignação, apenas, com a falta de consideração pela ideia inspiração não mencionada em “As aventuras de Pi”.
O livro é muito curto. Vou iniciar pontuando esse único defeito que acabou me provocando um desconforto diante de um enredo tão incrível e bem construído que poderia ser estendido de 100 para umas 200 páginas.
O primeiro ponto que me fez gostar tanto da obra é a maneira como o autor representou, pela visão de Max, a formação de ideologias de caráter autoritário e antidemocrático no mundo no século passado. Muitas vezes, durante as aulas de história, eu me perguntava como uma ideologia tão terrível, como o nazismo, pode…

O Advogado, Jhon Grisham | Resenha

Nota: 9/10 Jhon Grisham, autor de vários romances ambientados no meio jurídico, é o autor de "O advogado", sua nona publicação literária, publicada em 1998. O livro narra a mudança na vida de Michael Brock, um promissor advogado, sócio de um renomado escritório de advocacia em Washington D.C, que, surpreendentemente, larga sua promissora carreira como advogado tributário e empresarial privado e se torna um defensor daqueles que são, forçadamente, ignorados na sociedade.
Branco, jovem, futuro sócio sênior da Drake & Sweeney, dedicado quase que 100% ao trabalho, sem tempo para muitas coisas, casado com uma neurocirurgiã e permeado por privilégios econômicos e sociais. Assim era a vida do personagem principal do livro, até que, uma tarde traumática lhe fez enxergar novas perspectivas e reorganizar suas necessidades, transformando seu presente, futuro e ressignificando seu passado.
O livro apresenta uma perspectiva social de extrema relevância aos profissionais de todas as área…